domingo, 30 de abril de 2017

Novela de Xadrez - Stefan Zweig

"O que me interessa e o que me intriga é unicamente a curiosidade posterior de averiguar se aquilo que aconteceu na altura na cela era ainda o jogo de xadrez ou já a loucura, se me encontrava à beira ou já dentro do precipício - apenas isso, única e exclusivamente isso."
'Novela de Xadrez', Stefan Zweig

Se há história que permite entender o momento final da vida de Zweig e toda a sua obra pós-emigração é esta 'Novela de Xadrez'. É a derradeira do autor austríaco, deixada em legado a todos os que admiravam a sua obra e que, 75 anos após o seu suicídio no exílio brasileiro, continua a cativar admiradores em todo o mundo.

'Novela de Xadrez' segue os passageiros de um navio com rumo a Buenos Aires, que descobrem que a bordo vai também o campeão do mundo de xadrez, Czentovic, arrogante e pouco amigável. Para conhecer o campeão, um grupo desafia-o para uma partida saindo derrotado, até um misterioso passageiro os começar a aconselhar. Onde terá este homem adquirido conhecimentos tão profundos de xadrez e a que custo, é o que a história procura desvendar ao mesmo tempo que o seu surgimento altera o rumo do jogo.

Como já é habitual em Zweig, o narrador é como se fosse o próprio autor, narrando a história na primeira pessoa - até introduzir um narrador secundário que é, na verdade, o principal. Nas suas novelas, quem narra raramente é o protagonista, mas sim alguém que toma conhecimento de uma história incrivel e inesquecível que lhe foi confidenciada.

Numa história para apaixonados de xadrez, Zweig mistura memórias e suposições bem reais da tortura e do sofrimento dos judeus durante o domínio Nazi com a dua ficção também ela bastante realista e credível dos demónios que continuam a atormentar estes homens torturados durante toda a sua vida.

Mais do que uma história sobre o xadrez como jogo, mostra como a vida tanto se parece a um jogo de xadrez, com os seus peões enfraquecidos na mente e no coração, no corpo e na capacidade de sobreviver à destruição do seu mundo. É um relato de um prisioneiro de guerra, do sofrimento e da loucura de um homem cuja vida não é mais que fruto das circunstâncias, cuja existência se pode resumir à de um refugiado, um fugitivo de tudo.

A semelhança com Zweig, que talvez não tenha sofrido nem metade desta tortura, é o que também o autor sofreu ao ver destruída a sua pátria intelectual, ao ver o sofrimento dos seus amigos também judeus, ao perder toda e qualquer esperança no poder espiritual e na bondade da humanidade. 

Também ele era um refugiado, esquecido por um país que antes do admirara. Também ele procurava, a cada jogada num tabuleiro de xadrez, uma saída que não implicasse a tortura emocional. Encontrou-a apenas na morte e na resignação que esta obra lhe ofereceu, e a nós que o lemos e admiramos, tantos anos depois, e continuamos sem encontrar outra solução para um coração desiludido e desesperado como o seu. 

0 comentários:

Enviar um comentário