quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Stefan Zweig - Confusão de Sentimentos

"Que maravilha vê-lo assim satisfeito! Seria efeito da serena noite de Verão, efeito benfazejo da suavidade da atmosfera de tons desmaiados, ou brilhar-lhe-ia na alma um pensamento consolador? Ignorava. Mas, habituado a ler no seu rosto como num livro aberto, sentia que uma coisa era certa: nesse dia, um deus misericordioso aplicara-lhe um bálsamo nas rugas e nas pregas do coração."
'Confusão de Sentimentos', Stefan Zweig

Não há qualquer confusão de sentimentos em relação a Stefan Zweig: há um sentimento único de grande admiração, de paixão pela sua escrita intensa, de  um desconforto feliz perante a profundidade dramática das suas novelas. Este volume é mais um de compilação de histórias brilhantemente escritas, que nos tocam como se as vivêssemos na primeira pessoa.

Entre algumas personagens e histórias que nos deixam um pouco mais indiferentes, a maioria destaca-se pelo sentimento que Zweig transmite a cada pedaço da sua arte literária. Em 'A Estrela sobre a Floresta', há um amor incógnito e não correspondido de um criado de hotel por uma hóspede. Em 'O Medo', uma mulher infiel ao marido é levada à loucura pela namorada do amante, que faz chantagem com ela. Em 'Confusão de Sentimentos', um estudante ganha intimidade com um professor e a sua esposa, cujo conhecimento muda totalmente a sua vida.

"Nem um segundo durou, e não foi nenhum estremecimento, susto ou movimento. E, no entanto, foi um daqueles segundos em que se concentram milhares de horas e de dias cheios de exultação e de tormento, da mesma forma que um único grão de pólen transportado pelo vento encerra a força selvagem dos grandes carvalhos das ramagens agitadas pela brisa e copas balançando num sussurrar surdo."
Por muito que as histórias se concentrem em contextos e personagens diferentes, há pontos comuns a todas as novelas que as tornam verdadeiramente 'zweigianas': o medo e a percepção errada sobre os sentimentos dos outros, o fracasso das expectativas que se tem em relação a alguém, o amor não correspondido - ou a incapacidade de corresponder ao amor do outro, pelo menos na mesma medida. Há muita confusão de sentimentos, muitas forças distintas, cada uma a puxar para o seu lado, que levam as personagens a criar cenários ilusórios, a ficar loucas ou mesmo a morrer de desgosto.

Se por um lado Zweig cumpre sempre bem as nossas expectativas, as suas histórias fogem sempre um pouco ao expectável. Há sempre um twist, algo no meio ou no final das novelas que nos faz entender o propósito de não o termos desvendado logo nos primeiros parágrafos - e que nos faz sentir aquele misto de sentimentos, entre o querer muito chegar ao final e saber o desenlace, e o não querer nunca deixar de ler aquelas palavras e de sentir aquela emoção numa leitura.

Zweig, para mim, é sempre sinónimo de emoção, paixão e tragédia, a todos os níveis. As suas novelas enchem-nos de amor, mas sobretudo de uma grande dor, transversal à maioria das suas personagens bem humanas. Quando comprei este livro na Feira do Livro, há dois anos, o livreiro disse-me: "leva aí um dos melhores livros que temos". Não estava enganado. Encheu-me as medidas, aliás como Zweig sempre o faz.

0 comentários:

Enviar um comentário