quarta-feira, 3 de abril de 2013

A Valsa do Imperador - Maria Scherer

"Porque sei tudo sobre ti e tu sabes tudo sobre mim, sem que precisemos de dizer uma palavra que seja."
'A Valsa do Imperador', de Maria Scherer

"Szeretlek". Uma palavra tão directa, sincera, comovente, que se destaca num mundo tão irrepreensivelmente falso e codificado, no qual verdade e sinceridade são valores quase esquecidos. Maria Scherer não escreve uma história de ficção banal, com princípio, meio e fim, mas antes uma reflexão permanente de uma mulher, que podia ser ela própria ou qualquer uma de nós, sobre o mundo que a rodeia; sobre si mesma, os outros, o amor e a viagem que é começamos aos poucos a conhecer o nosso íntimo. Muitas vezes só o conhecemos quando percebemos que não somos tão felizes quanto pensávamos.

Andrea é uma mulher dinâmica, jornalista sueca de uma revista feminista, casada e com um filho pequeno. Desloca-se a Paris para participar num congresso internacional de mulheres, fazendo um discurso diferente do planeado, expondo os seus medos e fraquezas. Encontra Josef no final, um homem mais velho que nunca viu, que é exactamente o oposto do que ela considera o homem ideal num mundo em que se luta pela libertação da mulher. Mas algo os une desde aquele primeiro olhar que vai mudar para sempre a forma de Andrea ver o mundo e, sobretudo, de se ver no mundo.