sábado, 30 de março de 2013

sexta-feira, 29 de março de 2013

A Filha do Papa - Luís Miguel Rocha

Alguém me disse um dia que um homem não é apenas as suas falhas. O amor não escolhe lugar nem posto.” 
'A Filha do Papa', Luís Miguel Rocha 

Luís Miguel Rocha já nos convenceu que “sabe tudo sobre Papas”, como diz Jô Soares, e, mais ainda, que é um dos maiores escritores portugueses da actualidade. 'A Filha do Papa' vem corroborar isso mesmo, com uma genialidade que nos obriga a comer as páginas do livro, antes que a falta de ar nos assalte por não termos desvendado um dos muitos nós que a sua narrativa vai criando. Mais uma vez, o Vaticano: os escândalos bem reais, as pontas soltas inspiradoras de uma ficção muito bem construída e personagens robustas que nos guiam por esta maravilhosa viagem. 

--> Crítica completa no Espalha-Factos


segunda-feira, 25 de março de 2013

Quando não conseguimos parar de ler

"A vida era mesmo uma folha de papel, vulnerável, à mercê de qualquer advento mais ou menos quezilento, que a faria esfumar-se como se nunca tivesse existido."
'A Filha do Papa', Luís Miguel Rocha

... e ao mesmo tempo temos de ir fazendo pausas, para assimilar o que vamos lendo.
Estou colada ao livro :)


domingo, 24 de março de 2013

Resgate no Tempo - Michael Crichton

"A finalidade da História é de explicar o presente - para dizer que o mundo à nossa volta é como é. A História diz-nos aquilo que é importante no nosso mundo e como é que isso aconteceu. Diz-nos porque é que as coisas que valorizamos dão as que devíamos valorizar. E diz-nos aquilo que deve ser ignorado ou desprezado. Isto é o verdadeiro poder - um poder profundo. O poder para definir toda uma sociedade."
'Resgate no Tempo', Michael Crichton

Nunca fui muito fã de ficção científica, pelo menos no que normalmente lhe associamos: máquinas, robôs, lasers e coisas esquisitas. Mas quando esta surge num determinado contexto, apoiada numa história coesa e bonitinha, é totalmente diferente. Em 'Resgate no Tempo', temos uma nova tecnologia que permite viajar para universos paralelos e, assim, revisitar a própria História, podendo até modificá-la. Ou talvez estivesse tudo destinado, simplesmente, a acontecer assim. Nunca o saberemos.

Quando recebem uma mensagem do Professor Johnston, vinda da época histórica que vão descobrindo, aos poucos, através da sua actividade, três arqueólogos são levados a viajar para Castelgard do século XIV para o resgatar. Chris, Kate e Marek são historiadores, pouco sabem de tecnologia quântica e marcadores que levam a um retorno ao presente; mas ao chegarem apercebem-se também que, apesar de tudo o que já sabiam sobre a Idade Medieval, a realidade supera as expectativas: a violência, a guerra entre Oliver e Arnaut, as figuras históricas. E a viagem torna-se uma luta pela sobrevivência.